Procedimentos de Cunhagem na Antiguidade - Parte I

Foi na Lídia, atual Turquia, durante o reinado de Creso, segundo a teoria mais aceita atualmente, que apareceram as primeiras moedas. Eram cunhadas com um malho (figura ao lado), onde o cunho de anverso era gravado manualmente em um “tarugo” (pilha ou cunho superior). Um pedaço de metal, ouro ou electro aquecido era colocado sobre outro tarugo (troquel ou cunho inferior), que estava firmemente apoiado em um cepo. O moedeiro então desferia um golpe, uma pancada na pilha transferindo o cunho para o metal. Estava pronta uma moeda. Um processo artesanal e demorado, mas que perdurou por vários séculos. 
Outro processo muito usado para a produção de moedas foi a fundição. O metal derretido era escorrido para dentro de moldes de areia ou barro que, depois de esfriados, eram abertos ou quebrados dando origem às moedas. Esse era o processo usado na fabricação dos pesados Aes Rude romanos.

Técnicas para a realização da moeda - Essencialmente, para realizar uma moeda, desde a antiguidade até os nossos dias, a grosso modo podemos dizer que foram utilizados dois processos, a fusão e a batida por golpe ou pressão.

A fusão - A técnica da fusão consiste em aquecer até fundir o metal ou a liga que se quer cunhar, e posteriormente derramá-lo em formas ocas que contém o desenho inciso. Quando o metal esfria, abre-se a forma e se destacam as moedas; uma passagem a mais consiste na lima, que permite corrigir imperfeições.

Tanto o Aes Signatum quanto o Aes Grave eram obtidos derramando cobre fundido em formas pré-moldadas. Mesmo diante de alguns inconvenientes, a técnica da fusão apresentava diversas vantagens: era rápida, não requeria mão de obra altamente especializada e permitia saltar a fase preparatória dos cunhos, muito longa.
Por outro lado as moedas fundidas apresentavam desvantagens: tinham pesos variáveis, apresentavam relevos atenuados e poucos claros e, o problema mais sério, eram facilmente falsificáveis. 
Além disso, resultava impossível, uma vez que a moeda esfriava, corrigir eventuais desproporções no peso. 

A escolha desta singular técnica, sem dúvida um tanto quanto primitiva, derivava do fato que as moedas de grande dimensões (uma ou mais libras) não se podiam obter com a técnica da cunhagem. Além disso, acreditamos que o espírito pragmático dos romanos preferisse uma produção simples, sem muitas “firulas”, por assim dizer “viril” devido a uma cultura muito particular daquele período.

O Aes Signatum era fundido em moldes singulares, podendo ter formas diversas. O modelo mais simples consistia em duas válvulas unidas, nas quais vinha derramado o metal fundido em formas sobrepostas verticalmente, uma sobre a outra, de modo que o metal fundido enchesse todos os moldes passando por apósitos canais entre as formas. 
O bloco era mantido em vertical, enquanto o cobre fundido, versado do alto, atravessava todas as formas enchendo-as a partir daquela mais baixa. Quando o metal esfriava, abria-se a forma e as moedas eram destacadas, umas das outras, com o auxílio de tesourões. A marca tangível dessa técnica é a presença de dois ligamentos de fusão a 180° na borda da moeda: um para o ingresso do metal fundido, o outro para a sua saída até encher. Frequentemente esses cortes eram rudes e deturpavam o bordo da moeda. 

Formas usadas na fusão

Um outro método previa uma forma a cacho, com as moedas dispostas como uvas em um ramo. Em tal caso, observa-se somente um ligamento de fusão na moeda.
As formas, reutilizadas diversas vezes, eram feitas em pedra tenra (arenária) ou em terracota. A forma em terracota, muito mais fácil de modelar, podia queimar devido às sucessivas fusões, produzir erosão nas superfícies e portanto gerar moedas com peso alterado. Por outro lado, formas em terracota, mesmo quando vinham usadas na produção de singulares moedas como estampa, produziam exemplares abaixo do peso legal, devido ao fenômeno de redução de volume do metal na passagem do estado fluido ao sólido. Acontecia algumas vezes que as duas válvulas das formas não se encaixassem perfeitamente, gerando moedas com os dois lados defasados, não perfeitamente sobrepostos. 
Dada a técnica de produção, não raramente se vêem na superficie das moedas furos devidos às bolhas “armadilhadas” no cobre fundido. Os traços das moedas fundidas são grosseiros, e apesar de privadas de detalhes, execre grande fascínio nos numismatas. Os relevos, especialmente dos nominais de maior peso, eram muito altos. Completivamente eram moedas imponentes, feitas para impressionar, um lógico corolário à austera cultura da Roma republicana.


A batida - Permitia a obtenção de moedas de pequenas dimensões, em grande número, e com um elevado detalhe dos relevos, em troca de um escasso espessor, dado que os detalhes devem ser retirados da própria espessura do disco virgem e a impressão do cunho não consente grandes variações de cota e aumento dos relevos.

A cunhagem da moeda necessita de uma série de operações, da realização do cunho à preparação dos discos; do corte destes à cunhagem e aos detalhes e ajustes finais, que requerem um ciclo industrial refinado e evoluído. 
Não se pode prescindir do conhecimento e maestria da produção e uso do aço, por exemplo, dado que somente com um cunho mais duro do que o material do disco a ser cunhado, se obtém a impressão da figura a relevo na moeda. 
Para cunhar moedas é portanto necessária a presença contemporânea de diversos trabalhadores e artesãos (mineradores, fusionistas e metalúrgicos, incisores e polidores); num elevado nível de civilidade e tecnologia.
1. A realização do cunho
Na ponta de um cilindro de ferro, do diâmetro da moeda que se quer realizar, vem confeccionada, com um buril nas mãos de um artesão altamente especializado, a figura que se quer cunhar na moeda. Tal figura vem incisa ao contrário, em negativo (é como se pegássemos uma moeda e olhássemos sua imagem refletida num espelho).
Além disso, desejando que o relevo seja invertido, é necessário  realizar o cunho em relevo. Por outro lado, quando se deseja que os detalhes da moeda estejam em alto relevo, se deve “cavar” no cunho. Obviamente, sendo uma moeda composta por duas faces, se devem realizar dois cunhos, que são usados contemporaneamente. Caso fossem usados em batidas separadas, a segunda apagaria ou arruinaria a primeira. Uma vez realizados os cunhos, vinham temperados para que fossem mais duros que o metal a ser cunhado. 
2. Preparação dos discos para as moedas
Os metais eram essencialmente a prata, algumas vezes o ouro, o cobre, ou mesmo algumas ligas metálicas, entre as quais o electro (cobre + prata), e outras ligas de baixo teor de prata ou ouro.
O metal, ou o material obtido com a liga metálica que se queria utilizar, vinha antes pesado e depois derretido, à temperaturas que superavam os 1000° C. Para realizar tal operação, era necessária uma Casa de Fundição muito eficiente.
Depois de fundido, o metal era versado em estampilhas, a fim de se obter chapas lisas de metal. A este ponto, com sucessivos reaquecimentos e potentes golpes de martelo, se reduziam as chapas à lâminas do espessor desejado. Essas lâminas eram posteriormente cortadas em discos da dimensão da moeda que se pretendia realizar. A operação era feita com tesourões, e o acabamento era realizado com o auxílio de uma lima para se obter uma forma mais ou menos regular. Obviamente todas as limagens e rebarbas eram recuperadas para serem posteriormente fundidas e reutilizadas. 
3. Cunhagem da moeda
Colocando um disco entre as duas superficies dos cunhos (a base apoiada em uma bigorna, e a “cabeça” em cima do disco) com um preciso golpe de martelo sobre os mesmos, a moeda recebia a sua estampa em ambos os lados. Se fosse necessário, ao final dessa operação, com a moeda já estampada, o disco poderia ser limado um pouco mais para eliminar imperfeições.
Existe também a técnica da impressão, com o disco colocado em baixo de uma prensa a torque, ao qual é aplicado o cunho. Assim, por pressão, se realiza a moeda. É um pouco mais lenta, porém mais eficaz, e vem usada em tardo período 
4. Limar e pesar
A moeda poderia ser retocada com um banho de vinagre e sal, a fim de torná-la mais lúcida e vistosa, além de remover a eventual oxidaçâo. Era posteriormente pesada e controlada por um responsável da Casa da Moeda, que certificava a pureza e a contagem da produção. Esses processos foram melhorados com o tempo, graças à invenção de diversos tipos de máquinas e ferramentas. 

Um dos tipos mais notáveis foi o criado no século XVI, com a invenção do balancim (figura ao lado), também chamado de prensa de parafuso ou rosca. Eram dos mais variados tamanhos, para cunhar das menores moedas até os grandes patacões. Aos poucos esse “engenho” foi sendo adotado por todas as Casas da Moeda européias e do Novo Mundo. Com exceção das moedas batidas pelos holandeses no Recife, as primeiras moedas cunhadas em solo brasileiro, a partir da abertura da Casa da Moeda da Bahia, em Salvador, em 1694, foram feitas com este tipo de cunhagem conhecida como mecânica.
Em dezembro de 1855, houve um grande avanço tecnológico com a introdução de uma máquina de cunhar movida a vapor. Em 11 de fevereiro de 1860, foi inaugurada na Casa da Moeda, uma prensa a vapor totalmente construída no Brasil, posteriormente adaptada para trabalhar com energia elétrica.



Os metais na cunhagem das moedas

Não existe, até os tempos atuais, autoridade constituída que não tenha dedicado particular atenção à cunhagem de moedas de ouro. Dessa forma, é natural que em qualquer publicação numismática, uma posição privilegiada seja dada a estas moedas que, muito além do valor intrínseco, são extremamente valorizadas pela perfeição artística com que foram elaboradas e pelo seu grau de raridade. O seu emprego primordial deve ser atribuído ao “cuneo”, de valor cinquenta “siclos”, citado na Bíblia. A partir de então, praticamente não existiu um período histórico onde especial atenção não tenha sido dispensada a cunhagem de moedas nesse metal. Notáveis são os áureos romanos, enquanto durante o Império Bizantino, em todo mundo comercial conhecido daquela época, imperava absoluto o “sólido”. Os herdeiros dos sólidos bizantinos têm lugar na Itália, na expressão dos fiorini, zecchini e ducati. Em época moderna, temos escudos, marengos, libras, dólares e as moedas comemorativas cunhadas em diversos países, incluindo o Brasil.

No território nacional, a primeira moeda de ouro genuinamente brasileira foi fabricada pelos holandeses durante o período de ocupação. Conhecidas como obsidionais, estas moedas foram cunhadas nos valores de III; VI e XII Florins, nos anos de 1645 e 1646. Na primeira metade do século XVIII, a elevada produção de ouro possibilitou o funcionamento simultâneo de três casas da moeda e a cunhagem de grande quantidade de peças, cujos valores e beleza testemunham a opulência que caracterizou o período do reinado de D. João V (1706-1750). Inicialmente foram cunhadas, nas casas da moeda do Rio de Janeiro (1703) e da Bahia (1714), moedas idênticas às do Reino: moeda, meia moeda e quartinho, com valores faciais de 4.000, 2.000 e 1.000 réis . Embora com as mesmas denominações das moedas provinciais, essas peças possuíam maior peso e seu valor de circulação era 20% superior ao valor facial.

O estabelecimento de uma Casa da Moeda em Minas Gerais foi determinado em 1720, quando foi proibida a circulação do ouro em pó dentro da capitania. Além de moedas iguais às cunhadas no Reino, no Rio e na Bahia, a nova Casa da Moeda deveria fabricar outras com valores nominais de 20.000 e 10.000 réis, que circulariam com os valores de 24.000 e 12.000 réis, respectivamente.

Instalada em Vila Rica, a Casa da Moeda de Minas funcionou no período de 1725 a 1734. Foi nessa época que foram cunhadas as moedas da série conhecida como “DOBRÕES”, sendo a de 20.000 réis - datas 1724 (a mais rara, imagem a seguir), 1725, 1726 e 1727 - a mais pesada (53,78 gramas) e uma das mais belas moedas brasileiras jamais cunhadas.

Colônia, D. João V - Casa da Moeda de Vila Rica (Minas Gerais); 20.000 réis 1724, letra monetária MMMM; ouro 916,6 ‰, 53,78 gramas, Ø: 38 mm.

Em 1722, D. João V alterou a forma e o valor das moedas de ouro portuguesas, criando a série dos escudos, com os valores de 12.800 réis (dobra de 8 escudos), 6.400 réis (dobra de 4 escudos), 3.200 réis (dobra de 2 escudos), 1.600 réis (escudo) e 800 réis (1/2 escudo). Cunhadas no Brasil a partir de 1727, essas moedas trazem no anverso a efígie do rei. Dentro dessa série foi introduzido, em 1730, o valor 400 réis (cruzadinho).

Nos reinados de D. José I (1750-1777) e de D. Maria I (1777-1805), continuou a ser cunhada a série dos escudos, exceção feita à moeda de 12.800 réis, cuja cunhagem havia sido suspensa por D. João V, em 1733. Voltaram também a ser fabricadas as moedas provinciais de ouro, nos valores de 4.000, 2.000 e 1.000 réis, que não eram cunhadas desde 1702.

Nas moedas de D. Maria I, as efígies representam duas fases distintas de seu reinado. Na primeira ela aparece ao lado do marido, D. Pedro III. Após a morte deste, em 1786, é retratada sozinha, primeiro com um véu de viúva e depois com um toucado ornado com jóias e fitas.

Colônia, D. João V - Casa da Moeda da Bahia; dobra de 8 escudos (12.800 réis) 1729, letra monetária B; 28,68 gramas ou 8 oitavas de ouro título 916 ‰, Ø: 36 mm.

Porém, o metal de cunhagem, por definição é a prata, a qual assume valor de destaque no complexo problema da circulação de moeda. A cunhagem dos dracmas, seus múltiplos e sub-múltiplos, dos antigos gregos e a sua influência no mundo moderno é extremamente relevante no que diz respeito à prata.

Papel semelhante assumem os denários e antoninianos romanos, continuando pelo mundo medieval, passando pelas piastras, época em que estavam sendo cunhadas as primeiras moedas de prata brasileiras. Deve-se aos holandeses a primeira moeda de prata genuinamente brasileira, na figura do raríssimo XII soldos de data 1654.

A reforma monetária executada por Carlos Magno* no Sacro Império Romano e que durou nada mais, nada menos que dois séculos, baseou-se exclusivamente na prata, em contraposição ao império Bizantino e aquele muçulmano cujas cunhagens eram realizadas em ouro. Moedas com esses mesmos valores foram cunhadas também pela Casa da Moeda da Bahia, que em 1729 realizou a primeira cunhagem de moedas de cobre em território brasileiro. Em 1730 foram enviadas para Minas moedas de cobre cunhadas em Lisboa em 1722, nos valores de 20 e 40 réis, com pesos bastante reduzidos, as quais deveriam circular apenas naquela capitania. No reinado de D. José I, entraram em circulação moedas provinciais de cobre nos valores de 5, 10, 20 e 40 réis, cunhadas em Lisboa e no Brasil.
*Nota: Carlos Magno - Moedagem Carolíngia ou Carlovíngia. Sob o governo de Carlos Magno, entre 781 e 795, foi realizada uma vasta reforma monetária, transformando uma libra de prata em exatamente 240 denários de ótima liga de prata. A reforma, que havia sido iniciada por Pepino o Breve, pai de Carlos Magno, previa uma única moeda legal num sistema de monometalismo argênteo. Isso significa que vinha criado o denário, moeda que não possuía nem múltiplos nem sub-múltiplos. O denário era de prata, não prevendo qualquer outro tipo de metal.
Esse sistema monetário prevaleceu na Europa por muitos séculos até que, durante a Revolução Francesa e os acontecimentos a ela ligados, modificaram o sistema que passou a ser decimal, fenômeno que não atingiu a Inglaterra até 1971.
O fato que não possuísse nem múltiplos e nem sub-múltiplos era bem aceito em uma economia ainda não convenientemente desenvolvida, onde as trocas comerciais ainda se davam pelo «escambo» ou onde o denário era apenas utilizado para complementar as trocas. Não sendo prevista cunhagem de algum múltiplo do denário, do seu uso quotidiano nasceu uma solução espontânea. Como de uma libra (peso) eram batidos, na Casa da Moeda, 240 denários, passaram à equivalência 240 denários = 1 «lira» (unidade de contagem).
O denário foi a moeda mais importante do Medievo. A libra, como unidade de peso (na época equivalente a 409 gramas), se transformou assim, também, em unidade de contagem. Como o «soldo» (do valor de 12 denários ou seja, 1/20 de lira), por muito tempo a lira não foi cunhada, permanecendo como mera unidade de contagem.
Por outros 100 anos o denário permaneceu inalterado em peso e liga. Os primeiros «deslizes» dessa regra disciplinar de cunhagem tiveram início no X século. As primeiras ligas de cobre e zinco (961-973 e 973-983) colocaram ordem no sistema consagrando, por assim, dizer, a mudança na liga do denário em termos de peso e pureza: uma «lira» (ou seja, 240 denários) passou de 410 a 330 gramas de liga argêntea mais baixa onde de 390 gramas de prata utilizadas anteriormente, passou-se a 275 gramas.
A denominação nas diversas línguas são:
Italiano: 240 denários = 20 soldos = 1 libra (peso)
Francês: 240 denier = 20 sol (plural sous) = 1 livre
Catalão: 240 diners = 20 sous = 1 liura
Latino: 240 denarii = 20 solidi = 1 libra
Alemão: 240 Pfennig = 20 Schilling = 1 Pfund
Inglês: 240 penny (pence) = 20 shilling = 1 pound
Na Grã-Bretanha esse sistema monetário foi mantido até a decimalização em 1971. Das iniciais do nome latino (Libra, Solidus, Denarius) foi criada a sigla «LSD-System». Da libra entendida como unidade monetária, deriva o nome da lira, a moeda em circulação na Itália, antes do advento do Euro.
Moedagem Carolingia - Denário, prata, Ø: 21mm, W: 1,19 gramas, Casa da Moeda de Toulouse (793-812).

Em numismática se entende por moeda fundida, as emissões em bronze do IV e III séculos a.C., realizadas pelas diversas populações da Itália central, em substituição ao antigo Aes Rude, e que traziam como uma das características a associação de peso ao seu valor intrínseco, indicado através de um sinal distintivo (Aes Signatum). O standard de peso inicial era a libra paleoromana (osco-latina) de peso 272,87 gramas. Os valores vão do Asse à onça (uncia, em latim). O peso dos Asses e dos seus submúltiplos, experimentaram uma gradual redução, mantendo todavia o seu valor mercantil.

Nas primeiras emissões (primeira série), um Asse pesava 272,87 gramas, tanto quanto uma libra latina, sendo o peso dos seus submúltiplos diretamente proporcional a esse valor em gramas; um semisse (semiasse) que valia 1/2 Asse, pesava 136 gramas, e assim por diante até a onça de valor 1/12 do Asse (22,74 gramas).

Nessa série de Asses de libra, todas as moedas eram fabricadas por fusão. Durante o IV século a.C., nos conta Lívio que, por volta de 356 a.C., os romanos passaram a adotar a libra de 327,45 gramas, partindo do peso do Talento de 32,745 gramas, época em que o Asse sofre a sua primeira redução em função do momento da economia romana e como consequência da quase total destruição imposta pelos gauleses por volta de 390 a.C.

Nessa primeira redução surgem a semi-onça e o quarto  de onça de pesos, respectivamente, 6,82 gramas e 3,41 gramas. As quatro primeiras (asse, semisse, triente e quadrante) continuaram sendo fabricadas pelo método da fusão, enquanto as quatro últimas (sestante, onça, semi-onça e quarto de onça) eram já cunhadas.
Adoção da moeda
Primeira metade do V século 
Aproximadamente 423 a.C.
Libra paleoromana de 272,87 gramas

PRIMEIRA REDUÇÃO DO ASSE
Metade do IV século 
Aproximadamente 356 a.C.
Libra romana de 327,45 gramas

Os romanos entenderam que o Asse de peso teórico 163,72 gramas não era suficiente para afrontar as transações comerciais de grande volume. A mentalidade sobre o valor intrínseco da moeda, como forma de medir o valor das mercadorias, tinha dificuldade em adaptar o sistema monetário a uma redução de quantidade de metal, consequência disso, adotaram um numerário que fosse mais consistente, tendo à disposição apenas o bronze, na falta do ouro ou a prata. Assim recorreram a emissão de múltiplos do Asse, criando o Decusse, o Tresse e o Dupondio, valendo respectivamente, 10, 3, e 2 Asses. Sucessivas reduções no sistema monetário dos romanos (sete, no total), terminaram por levar o Asse ao peso de 13,64 gramas, decretado segundo a Lei Plautia-Papiria de 89 a.C.

A seguir, as imagens de algumas das primeiras moedas (fundidas e cunhadas) pelos romanos, nos primórdios de sua civilização. De cima para baixo, da esquerda para a direita AES SIGNATUM, AES GRAVE JÂNIO BIFRONTE,  SEMISSE (semiasse), TRIENTE, QUADRANTE, SESTANTE, ONÇA, ASSE LIBRALE (primeira redução), LITRA (230 a.C., 3,34 gramas), DIDRACMA (quadriga, 225 a.C., 6,27 gramas).

Aes Signatum, República Romana depois de 450 a.C.; bronze; 185 × 90 mm; 1.616,62 gr.

Asse (Aes signatum, librale ou grave. Jano bifronte com sinal de valor 
(talho sobre o pescoço); Proa de nave à direita com sinal I, de valor, tudo sobre disco em relevo.

Asse librale (primeira redução)

Semisse (semiasse)


Triente e Sextante (sestante)


Quadrante


Litra, Didracma (quadriga) e Onça

Nota: A palavra latina AES (aeris no genitivo) significa bronze e dela derivam outras palavras como erário. O emprego, seja do Aes rude quanto do Aes signatum, era valorado em base ao peso, o que era incômodo, já que a cada transação comercial as moedas deviam ser pesadas. Por iniciativa dos próprios mercadores, passou-se a usar getões de bronze, de forma circular ou retangular, sobre as quais vinha inciso, no campo, um valor (aes signatum), símbolos e marcas que identificavam a autoridade do emissor, garantindo a autenticidade. O Aes signatum é considerado o primeiro estágio na evolução da moeda como a conhecemos hoje, não sendo considerado uma moeda, por definição, somente porque o seu valor era determinado pelo peso que variava notavelmente. A primeira moeda estandardizada pelo Estado foi o Aes grave, introduzida com a intensificação do comércio marítimo em torno a 335 a.C..

Moedagem de estilo grego

Os gregos foram os primeiros a cunhar moeda, aproximadamente 700 anos antes de Cristo. Atingiram uma perfeição tamanha na sua gravura que os artistas modernos ainda se empenham em igualar. Esta arte passou depois por diversas vicissitudes entre os povos antigos, da idade média e tempos modernos. As primeiras moedas batidas em Roma foram alguns didracmas de prata e algumas moedas fracionárias em prata ou bronze. Estas moedas são comumente indicadas com o nome de “romano-campânia”, por terem sido, muito provavelmente, cunhadas no mesmo estilo das moedas gregas, na Campânia do século III a.C., a escopo de facilitar o comércio com as colônias gregas do sul da Itália.

Mesmo sendo o estilo claramente romano, os tipos eram característicos da civilização itálica: Marte, Minerva, a loba com os gêmeos Rômulo e Remo, Jano. A moeda mais famosa desse período é conhecida como quadriga, com a cabeça de janiforme no anverso e Júpiter e a Vitória em uma quadriga. Os primeiros didracmas pesavam em torno a 7,0 gramas (6,8 a 7,3), com as últimas cunhagens pesando em torno a 6,5 gramas.

Anônimo, Didracma ou AR Quadrigatus. 215-213 a.C., época da 2 ª Guerra Púnica. Cabeça janiforme. Laureado, cabeça janiforme no anverso / No reverso, Júpiter,
segurando cetro e lançando raio, cavalgando em uma quadriga conduzida pela vitória, ROMA no exergo.

Calabria, Tarentum. Cerca 272-240 a.C. 

Trácia, dióbolo, Apollonia Pontika, V século a.C. 

Reis da Macedônia, Antigonos I Monophthalmos 

AV Estater (18mm, 8.61 g). Casa da Moeda de Magnésia, cunhada sob Menander ou Kleitos, entre 323-319 a.C. Cabeça de Apolo; Filipe III Arrideu, rei da Macedônia de 323 a 317 a.C. até sua morte. Era filho do rei Filipe II da Macedónia com uma cortesã de Lárissa, na Tessália, chamada Filina de Lárissa, e meio-irmão de Alexandre, o Grande. Chamado de Arrideu ao nascimento, assumiu o nome de Filipe ao subir ao trono. Casou-se com Eurídice, filha de Amintas IV e de Cinane, filha de Filipe II.
 Reis da Macedônia, Antigonos I Monophthalmos

Anverso, reverso e as legendas nas moedas brasileiras

As partes de uma moeda

Antes de elencar as legendas das cunhagens brasileiras, é oportuno definir bem o que seja anverso e reverso das moedas.
Quando era cunhada manualmente, num procedimento bastante artesanal, o lado da moeda que se encontrava voltado para baixo era sempre o anverso, sendo o reverso a receber o golpe do martelo.
Hoje, com as moedas cunhadas mecanicamente, num processo industrial, não existe mais um “lado de baixo”. Então, qual lado é o anverso e qual o reverso da moeda?

Anverso - É o lado da moeda que contém as informações principais, tais como a data, letra monetária e o soberano que, geralmente, vem representado com o busto de perfil voltado à direita ou à esquerda como no exemplar acima.

Reverso - É o lado da moeda em oposição ao anverso e que contém as informações secundárias, mas não menos importantes, da moeda. Geralmente indicado com a abreviação rev.


Identificando anverso e reverso

Nesse caso devemos adotar uma ordem de prioridades ao estabelecer quem é um (anverso) e quem é o outro (reverso):

1) O anverso contém o retrato - A figura, o busto, a efígie do homenageado, por assim dizer - Se nenhum dos lados (ou se ambos) tem retratos, aplicamos a condição número 2, a seguir:

2) O anverso é diferente - Em outras palavras, o anverso não é comum a uma série. Um bom exemplo disso é a moeda do Euro, que não tem um retrato, porém cada pais tem seu próprio design para uma face da moeda, com um outro comum a todos os paises, na outra face. Diz-se que tais moedas condividem o mesmo reverso, opinião unânime entre os colecionadores.
Essa regra se aplica também a um país que, digamos, tenha um escudo de armas (ou algum outro objeto comum) em sua cunhagem (sem retratos). Se o objeto comum aparece em múltiplos valores, o lado sem tal objeto é o anverso.

3) Caso a moeda não satisfaça uma das condições anteriores (1 e/ou 2), o lado que traz o nome do pais (Estado emitente) deverá ser considerado o anverso.


As legendas nas moedas brasileiras, em ordem alfabética

A ECONOMIA FAZ A PROSPERIDADE - Encontrada nas moedas de 40 réis entre 1889 e 1912. Era um incentivo à poupança. Ref.: Moeda 621 Catálogo Bentes, 4ª edição.

ACCLAM. DA INDEPENDENCIA X PRESID. DA REPUBLICA - "Aclamação da Independência, décimo presidente da República". Moeda comemorativa do centenário da Independência do Brasil (1822-1922) trazia o busto de D. Pedro I ao lado do décimo presidente republicano Epitácio Pessoa. Ref.: Moeda 642 Catálogo Bentes, 4ª edição.

ÆS USIBUS APTIUS AURO - "O cobre é mais apto ao uso do que o ouro" - Legenda do anverso das moedas de cobre de D. João V de 1722, cunhadas em Lisboa para circulação em Minas Gerais. A letra U pode ser a latina V. Ref.: Moeda 158 Catálogo Bentes, 4ª edição.

ALIMENTOS PARA O MUNDO - Moedas especiais alusivas às campanhas contra a fome no mundo promovidas pela FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação). Ref.: Moeda 710 Catálogo Bentes, 4ª edição.

ET. BRASILIÆ. DOMINUS - "E Senhor do Brasil" - Legenda que aparece no reverso das moedas de ouro de D. Pedro II, de Portugal, D. João V, D. José I, D. Maria I e D. Pedro III, D. Maria I, D. João Príncipe Regente e D. João VI, em continuação à legenda de anverso, seguida pela palavra ANNO e pela data. São várias; usamos como Ref.: A Moeda 127 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

GWC - GEOCTROYEERDE WEST-INDISCHE COMPAGNIE - Companhia Privilegiada das Índias Ocidentais. Não é uma legenda, mas um monograma encontrado nas primeiras moedas batidas na Colônia durante a ocupação holandesa. Ref.: Moeda 5 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

IN HOC SIGNO VINCES - "Por (ou com) este sinal vencerás" - Legenda que aparece no anverso ou no reverso de moedas de ouro, de prata e de cobre coloniais e imperiais. O sinal a que se refere esta inscrição é a cruz. São várias; usamos como Ref.: A Moeda 100 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

IOAN. V. - IOANNES QUINTUS - João V. Legenda que aparece no anverso de moedas de 400 réis de ouro de D. João V. Ref.: Moeda 148 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

IOANNES. V. D. G. P. ET. BRASIL. REX - IOANNES QUINTUS DEI GRATIA PORTUGALIÆ ET BRASILIÆ REX - João V, por graça de Deus, Rei de Portugal e Brasil. Legenda de reverso das moedas de cobre de D. João V cunhadas em 1722, em Lisboa, para circulação exclusiva em Minas Gerais. Esta mesma legenda aparece no anverso das outras moedas de cobre de D. João V. Ref.: Moeda 158 Catálogo Bentes, 4ª edição.

IOANNES. V. D. G. PORT. ET. ALG. REX - IOANNES QUINTUS DEI GRATIA PORTUGALIÆ ET ALGARBIORUM REX - "João V, por graça de Deus, Rei de Portugal e do Algarve". Legenda que aparece no anverso de moedas de ouro de D. João V. Ref.: Moeda 101 Catálogo Bentes, 4ª edição.

IOANNES. V. D. G. PORT. REX. ET. BRAS. D. - IOANNES QUINTUS DEI GRATIA PORTUGALIÆ REX ET BRASILIÆ DOMINUS - "João V, por graça de Deus, rei de Portugal e Senhor do Brasil". Legenda que aparece no anverso de moedas de prata de D. João V. Ref.: Moeda 153 Catálogo Bentes, 4ª edição. 

IOANNES. V. D. G. PORTUG. REX - IOANNES QUINTUS DEI GRATIA PORTUGALIÆ REX - João V, por graça de Deus, rei de Portugal. Legenda que aparece no anverso de moedas de ouro de D. João V. São várias; usamos como Ref.: A Moeda 109 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

J(I)OSEPHUS. I. D. G. P. ET. BRASIL. REX - IOSEPHUS PRIMUS DEI GRATIA PORTUGALIÆ ET BRASILIÆ REX - José I, por graça de Deus, rei de Portugal e do Brasil. Legenda que aparece no anverso de moedas de cobre de D. José I. São várias; usamos como Ref.: A Moeda 230 do Catálogo Bentes, 4ª edição.


J(I)OSEPHUS. I. D. G. PORT. ET. ALG. REX - IOSEPHUS PRIMUS DEI GRATIA PORTUGALIÆ ET ALGARBIORUM REX - José I, por graça de Deus, rei de Portugal e do Algarve. Legenda que aparece no anverso de moedas de ouro de D. José I. São várias; usamos como Ref.: A Moeda 174 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

I(J)OSEPHUS. I. D. G. PORT. REX. ET. BRAS. D. - IOSEPHUS I DEI GRATIA PORTUGALIÆ REX ET BRASILIÆ DOMINUS - José I, por graça de Deus, rei de Portugal e senhor do Brasil. Legenda que aparece no anverso de moedas de prata de D. José I. São várias; usamos como Ref.: A Moeda 204 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

IOSEPHUS. I. D. G. PORTUG. REX - IOSEPHUS PRIMUS DEI GRATIA PORTUGALIÆ REX - José I, por graça de Deus, rei de Portugal. Legenda que aparece no anverso de moedas de ouro de D. José I. Há variações nas abreviaturas. Ref.: Moeda 176 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

IOSEPHUS. I. D. G. REX. P. ET. D. GUINEÆ - IOSEPHUS PRIMUS DEI GRATIA REX PORTUGALIÆ ET DOMINUS GUINEÆ - José I, por graça de Deus, rei de Portugal e senhor da Guiné. Legenda que aparece no anverso de moedas de cobre de D. José I. Ref.: Moeda 226 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

JOANNES. D. G. P. ET. BRASILIÆ. P. REGENS - JOANNES DEI GRATIA PORTUGALIÆ ET BRASILIÆ PRINCEPS REGENS - João, por graça de Deus, príncipe regente de Portugal e do Brasil. Legenda que aparece no anverso de moedas de cobre de D. João, Príncipe Regente. Ref.: Moeda 414 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

JOANNES. D. G. PORT. BRAS. ET. ALG. PRINCEPS REGENS - JOANNES DEI GRATIA PORTUGALIÆ BRASILIÆ ET ALGARBIORUM PRINCEPS REGENS - João, por graça de Deus, príncipe regente de Portugal, do Brasil e do Algarve. Legenda que aparece no anverso da moeda de ouro de 4000 réis e nas de 960 réis de 1816 – série especial – de D. João, Príncipe Regente. Ref.: Moeda 316 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

JOANNES. D. G. PORT. BRAS. ET. ALG. P. REGENS - JOANNES DEI GRATIA PORTUGALIÆ BRASILIÆ ET ALGARBIORUM PRINCEPS REGENS - João, por graça de Deus, príncipe regente de Portugal, Brasil e Algarve. Legenda de anverso das moedas de ouro de 6400 réis, das moedas de prata de 960 réis e das moedas de cobre, todas de 1816 – série especial – de D. João, Príncipe Regente. Ref.: Moeda 312 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

JOANNES. D. G. PORT. ET ALG. REGENS - JOANNES DEI GRATIA PORTUGALIÆ ET ALGARBIORUM REGENS - João, por graça de Deus regente de Portugal e do Algarve. Legenda que aparece no anverso de moedas de ouro de D. João, Príncipe Regente. Ref.: Moeda 313 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

JOANNES. D. G. PORT. P. REGENS. ET. BRAS. D. - JOANNES DEI GRATIA PORTUGALIÆ PRINCEPS REGENS ET BRASILIÆ DOMINUS - João, por graça de Deus, príncipe regente de Portugal e senhor do Brasil. Legenda que aparece no anverso de moedas de prata de D. João, Príncipe Regente. Ref.: Moeda 342 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

JOANNES. VI. D. G. PORT. BRAS. ET. ALG. REX - JOANNES SEXTUS DEI GRATIA PORTUGALIÆ BRASILIÆ ET ALGARBIORUM REX - João VI, por graça de Deus, rei de Portugal e do Brasil e Algarve. Legenda de anverso da moeda de ouro de 6400 réis e das moedas de prata e cobre de D. João VI. Também aparece no reverso das moedas de ouro de 4000 réis de D. João VI, cunhadas na Bahia e no Rio de Janeiro. Ref.: Moeda 455 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

MARIA. I. D. G. P. ET. BRASILIÆ. REGINA - MARIA PRIMA DEI GRATIA PORTUGALIÆ ET BRASILIÆ REGINA - Maria I, por graça de Deus, rainha de Portugal e do Brasil. Legenda que aparece no anverso de moedas de cobre de D. Maria I. Ref.: Moeda 299 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

MARIA. I. D. G. PORT. ET. ALG. REGINA - MARIA PRIMA DEI GRATIA PORTUGALIÆ ET ALGARBIORUM REGINA - Maria I, por graça de Deus, rainha de Portugal e do Algarve. Legenda que aparece no anverso de moedas de ouro de D. Maria I. Ref.: Moeda 280 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

MARIA. I. D. G. PORT. REGINA. ET. BRAS. D. - MARIA PRIMA DEI GRATIA PORTUGALIÆ REGINA ET BRASILIÆ DOMINA - Maria I, por graça de Deus, rainha de Portugal e senhora do Brasil. Legenda que aparece no anverso de moedas de prata de D. Maria I. Ref.: Moeda 288 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

MARIA. I. D. G. PORTUG. REGINA - MARIA PRIMA DEI GRATIA PORTUGALIÆ REGINA - Maria I, por graça de Deus, Rainha de Portugal. Legenda que aparece no anverso de moedas de ouro de D. Maria I. Ref.: Moeda 284 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

MARIA. I. ET. PETRUS. III. D. G. P. ET. BRASIL. REGES. - MARIA PRIMA ET PETRUS TERTIUS DEI GRATIA PORTGALIÆ ET BRASILIÆ REGES. - Maria I e Pedro III, por graça de Deus, reis de Portugal e do Brasil. Legenda que aparece no anverso de moedas de cobre de D. Maria I, enquanto rainha com seu marido e tio, D. Pedro III. Ref.: Moeda 271 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

MARIA. I. ET. PETRUS. III. D. G. PORT. ET. ALG. REGES. - MARIA PRIMA ET PETRUS TERTIUS DEI GRATIA PORTUGALIÆ ET ALGARBIORUM REGES - Maria I e Pedro III, por graça de Deus, reis de Portugal e do Algarve. Legenda que aparece no anverso de moedas de ouro de D. Maria I, enquanto rainha com seu marido e tio, D. Pedro III. Ref.: Moeda 251 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

MARIA. I. ET. PETRUS. III. D. G. PORT. REGES. ET. BRAS. D. - MARIA PRIMA ET PETRUS TERTIUS DEI GRATIA PORTUGALIÆ REGES ET BRASILIÆ DOMINI - D. Maria I e D. Pedro III, por graça de Deus, reis de Portugal e senhores do Brasil. Legenda que aparece no anverso de moedas de prata de D. Maria I, enquanto rainha com seu marido e tio, D. Pedro III. Ref.: Moeda 269 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

MARIA. I. ET. PETRUS. III. D. G. PORTUG. REGES. - MARIA PRIMA ET PETRUS TERTIUS DEI GRATIA PORTUGALIÆ REGES - D. Maria I e D. Pedro III, por graça de Deus, reis de Portugal. Legenda que aparece no anverso de moedas de ouro de D. Maria I, enquanto rainha com seu marido e tio, D. Pedro III. Ref.: Moeda 257 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

MODERATO SPLENDEAT USU - Brilhará COM uso moderado - Legenda do anverso das moedas de V, X e XX réis de cobre de D. Pedro II de Portugal, cunhadas na Casa da Moeda do Porto - Portugal - com datas entre 1693 e 1699 e mandadas circular no Brasil pela Carta Régia de 10 de fevereiro de 1704. É comum nas legendas latinas a troca da letra U pela letra V. Ref.: Moeda 97 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

ORDEM E PROGRESSO - Inscrição encontrada na nossa bandeira nacional e reproduzidas nas moedas entre 1889 e 1922. Ref.: Moeda 616 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

PECUNIA TOTUM CIRCUMIT ORBEM - O dinheiro circula pelo mundo todo - Legenda que aparece no reverso das moedas de cobre coloniais e do Reino Unido. Ref.: Moeda 299 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

PETRUS. I. D. G. BRASILIÆ. IMPERATOR - PETRUS PRIMUS DEI GRATIA BRASILIÆ IMPERATOR - Pedro I, por graça de Deus, imperador do Brasil. Legenda que aparece no anverso da Peça da Coroação de D. Pedro I. Ref.: Moeda 468 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

PETRUS. I. D. G. CONST. IMP. ET. PERP. BRAS. DEF. - PETRUS PRIMUS DEI GRATIA CONSTITUTIONALIS IMPERATOR ET PERPETUUS BRASILIÆ DEFENSOR - Pedro I, por graça de Deus, imperador constitucional e defensor perpétuo do Brasil. Legenda que aparece no anverso das moedas de prata e de cobre e no reverso das moedas de ouro de D. Pedro I. Ref.: Moeda 486 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

PETRUS. II. D. G. CONST. IMP. ET. PERP. BRAS. DEF. - PETRUS SECUNDUS DEI GRATIA CONSTITUTIONALIS IMPERATOR ET PERPETUUS BRASILIÆ DEFENSOR - Pedro II, por graça de Deus, imperador constitucional e defensor perpétuo do Brasil. Legenda que aparece no anverso das moedas de prata e de cobre de D. Pedro II do Brasil. Também aparece no reverso de moedas de ouro, de prata e de bronze. Ref.: Moeda 503 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

PETRUS. II. D. G. PORT. ET. ALG. REX - PETRUS SECUNDUS DEI GRATIA PORTUGALIÆ ET ALGARBIORUM REX - Pedro II, por graça de Deus, rei de Portugal e do Algarve. Legenda que aparece sempre no anverso de moedas de ouro de D. Pedro II de Portugal. Ref.: Moeda 66 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

PETRUS. II. D. G. PORTVG(AL). REX - PETRUS SECUNDUS DEI GRATIA PORTUGALIÆ REX - Pedro II, por graça de Deus, rei de Portugal. Legenda que parece sempre no anverso de moedas de ouro de D. Pedro II de Portugal. Ref.: Moeda 62 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

PETRUS. II. D. G. PORT. REX. ET. BRAS. DN. - PETRUS SECUNDUS DEI GRATIA PORTUGALIÆ REX ET BRASILIÆ DOMINUS - Pedro II, por graça de Deus, rei de Portugal e senhor do Brasil. Legenda de anverso nas moedas de prata de D. Pedro II de Portugal. Ref.: Moeda 73 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

PETRUS. II. D. G. PORTUG. R. D. ÆTHIOP. - PETRUS SECUNDUS DEI GRATIA PORTUGALIÆ REX DOMINUS ÆTHIOPIÆ - Pedro segundo, por graça de Deus, rei de Portugal e senhor da Etiópia. Legenda que aparece no reverso de moedas de cobre de D. Pedro II de Portugal, mandadas circular no Brasil pela Carta Régia de 10 de fevereiro de 1704. Ref.: Moeda 99 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

15 DE NOVEMBRO DE 1889 - A data da Proclamação da República aparecia gravada em moedas de 1889 a 1922. Ref.: Moeda 614 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

REI DPORTUGALL - Rei de Portugal - Inscrição escrita em caracteres góticos. Aparece na moeda de 2000 réis da série de moedas vicentinas, comemorativas dos 400 anos de fundação da Vila de São Vicente, atual cidade de São Paulo. Ref.: Moeda 646 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRAZIL - Comum nas moedas posteriores à proclamação da República, Brasil era escrito com “Z”. A partir de 1900, o “Z” já fora substituído pelo “S”. Porém, em 1913, moedas produzidas na Alemanha para o Brasil, trouxeram o “Z” de volta. Ref.: Moeda 36 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

SESQUICENTENÁRIO DA INDEPENDÊNCIA - Moeda de 1 cruzeiro lançada em 1972, comemorativa aos 150 anos da Independência do  Brasil. A inscrição encontra-se no bordo da moeda. Ref.: Moeda 708 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

SUBQ SIGN NATA STAB - SUB QUO SIGNO NATA STABIT - Sob esse sinal nasceu e permanecerá. Existe a variante SVBQ. Ref.: Moeda 204 do Catálogo Bentes, 4ª edição.

VINTEM POUPADO VINTEM GANHO - Encontrada nas moedas de 20 réis entre 1889 e 1912, como incentivo à poupança. Ref.: Moeda 622 do Catálogo Bentes, 4ª edição.