As Casas da Moeda Provisionais do México - 2ª parte



(Link para a parte 1: clique aqui)

OAXACA

Oaxaca nunca teve uma casa da moeda, pelo menos não durante o período das guerras independentistas. De fato, as cunhagens provisionais realistas de Oaxaca foram realizadas em uma oficina de ferreiro. Foram cunhadas primeiramente nos valores de 1 Real e 1/2 Real, peças estas provavelmente únicas; não são conhecidas peças de 8 Reales cunhadas. As peças cunhadas
de 1 e 1/2 Real foram usadas para a fabricação do molde utilizado para a realização das peças fundidas posteriormente, que viria a ser o método utilizado por esta “casa da moeda”, durante o ano de 1812. 

Oaxaca nunca teve uma casa da moeda, pelo menos não durante o período das guerras independentistas. De fato, as cunhagens provisionais realistas de Oaxaca foram realizadas em uma oficina de ferreiro. Foram cunhadas primeiramente nos valores de 1 Real e 1/2 Real, peças estas provavelmente únicas; não são conhecidas peças de 8 Reales cunhadas. As peças cunhadas de 1 e 1/2 Real foram usadas para a fabricação do molde utilizado para a realização das peças fundidas posteriormente, que viria a ser o método utilizado por esta “casa da moeda”, durante o ano de 1812. 



8 Reales, fundido, da Casa da Moeda de Oaxaca, cunhagem Realista, 1812. Carimbo com letra R no anverso (existem vários: “A”, “B”, “C”, “D”, “K”, “L”, “Mo”, “N”, “O”, “R”, “V” e “Z”.
No reverso, a marca do controlador da Real Fazenda, assim como se fazia nas moedas fundidas em Chihuahua. O (Oaxaca) entre dois pilares, coroado.



Acima, Real, à esquerda cunhado (único), e à direita fundido, 1812. A peça cunhada foi usada como modelo para o molde das peças cunhadas, como se nota por exemplo pelo círculo duplo em “F.o”. Sabe-se de uma outra peça, de 1/2 Real, também única, cunhada. 

SOMBRERETE


Localização do município de Sombrerete, no estado de Zacatecas.

Para estas moedas feitas em um município de Zacatecas foram utilizados vários desenhos, todos de qualidade muito baixa. Estas moedas existem em denominações de 8, 4, 1 e 1/2 Real, nos anos de 1810, 1811 e 1812. Nas moedas de 8 Reales, se lê o ano e o sobrenome VARGAS, que coresponde a José María Vargas Machuca, trabalhador minerário local. 


Hotel Hidalgo, provável local onde foram realizadas as moedas de Sombrerete.

A casa da moeda de Sombrerete (provavelmente localizada onde hoje se encontra o atual Hotel Hidalgo), cunhou, entre 16 de outubro de 1810 e 1812, 1.561.249 moedas. O valor histórico da série de Sombrerete é excepcional, já que reflete a incertidão e instabilidade política e social do momento. Tais séries são realistas; no anverso da moeda consta o escudo espanhol com a coroa. Contudo, em nenhuma área se menciona o monarca. Ainda mais surpreendente é o nome que lemos no reverso, VARGAS, sendo este o sobrenome do superintendente das minas e encarregado de tais cunhagens (Fernando Vargas).

8 Reales de Sombrerete: na sequência, 1810 (prata), 1810 (cobre), 1812 e 1812 variante VAGAS.
Subvalores da série. De cima para baixo, 4 Reales, 2 Reales, 1 Real e 1/2 Real. 

VALLADOLID

Palácio de Justicia de Morelia
Em frente ao Museu Regional se encontra o Palácio de Justiça de Morelia (chamada assim em homenagem a Morelos), antiga Valladolid. No terreno onde hoje se encontra este edifício, se estabeleceu a junta do Governo dos espanhois de Valladolid, chamada por isso de Casa Consistorial, que funcionou até a época da independência. 
O edifício foi construído pelo arquiteto Guillermo Woodon de Sorinne, encarregado por Don Porfirio Díaz.
Até o ano de 1813, o local funcionou como Casa da Moeda. 
Em 1885, recebeu uma reestruturação completa, onde prevalecia o estilo francês. O palácio se revestiu de uma elegante decoração e mostrou uma refinada precisão técnica em seus elementos construtivos, como se pode observar nos pilares da fachada. 


8 Reales provisionais de Valladolid. Abaixo, o segundo tipo, copiado do tipo colonial, com letra monetária P.D.V. (provisional de Valladolid).
As moedas realistas de Valladolid são muito raras, conhecendo-se hoje alguns poucos exemplares de 1813 com a legenda no anverso “Provisional de Valladolid”.



SIERRA DE PINOS, LAGOS, SAN ANTONIO DE BÉXAR

Em resposta à falta de moeda circulante, em muitos territórios se deram cunhagens de moedas de cobre de caráter fiduciário, por parte dos realistas (como veremos, esta será uma prática prevalentemente insurgente). Os três locais que realizaram estas cunhagens, por parte dos realistas, foram:


San Fernando de Bexar



As Jolas, de 1818, são altamente raras, mas a recente descoberta de seis exemplares da data 1817 trás nova luz sobre esta moeda de curta vida, mas enorme significado histórico. 

Cunhadas em San Antonio de Bexar entre 1817 e 1818, as Jolas são as únicas moedas hispano americanas cunhadas no território que atualmente são os Estados Unidos. A República do Texas existiu como um estado independente por 10 anos, e suas fronteiras incluíam partes dos atuais Oklahoma, Colorado e Wyoming. O Texas deixou de ser uma nação independete no início de 1846. Diferentemente das treze colônias originais, nunca esteve sob domínio britânico, tendo sido colonizado sob bandeira espanhola e mexicana antes de obter sua independência durante a violenta revolução texana de 1835-36. 

Quando as Jolas foram cunhadas para uso no comércio regional, o Texas era uma província do norte da Nueva España.

Em 1817, o Governador local espanhol Manuel Pardo recebeu autorização vinda da Cidade do México para cunhar pequenas moedas de cobre para facilitar o comércio. Ele escolheu Manuel Barrera, um comerciante e administrador local, para produzir 8.000 Jolas. Existem provas irrefutáveis nos arquivos da época de Bexar de que as moedas de Barrera foram postas em circulação em San Antonio de Béxar por volta de 29 de Março de 1817. As peças de 1818 trazem as letras JAG, de José Antonio de la Garza.

Em Maio de 1817, Prado foi sucedido por Antonio Martinez como governador e comandante militar da provincia do Texas. Em Dezembro de 1818, ele satisfez o pedido de José Antonio de la Garza, o chefe dos correios local, para cunhar 500 pesos em “moeda pequena de cobre chamadas Jolas, que deverão circular somente pela cidade no valor de meio real cada uma”. Isso totaliza 8000 peças autorizadas. Em uma cidade com uma população de 2000 pessoas, isso teria tido um grande impacto em aliviar a falta de moeda para troco. 
A petição também dizia que “estas deverão ter gravadas as primeiras letras do meu nome e sobrenome, e o ano da data”. Também foi pedido a Garza que trocasse as moedas cunhadas por Barrera no ano anterior pelas suas.  


Lagos

A Vila de Lagos (hoje Lagos de Moreno), fundada em 1563 como Santa María de los Lagos, cunhou moedas de 1/4 de Real, hoje muito raras. As moedas trazem, em seu anverso, o escudo da Vila, com a legenda AYUNT. DE LAGOS,  e no reverso uma esfera coroada, entre louros, com legenda F. VII. 






Sierra de Pinos

Pinos foi fundada em 12 de Fevereiro de 1594 sob o nome de “Real de Nuestra Señora de la Purísima Concepción de Cuzco y Descubrimiento de Minas que llaman de la Sierra de Pinos”, e formava uma etapa importante do Caminho Real de Terra Adentro, conectando a Cidade do México con Santa Fe.
Seu atual nome se deve aos bosques que cobriam a serra e cuja madeira foi usada na fundição dos metais. Se localiza no estado de Zacatecas, dentro do deserto do Gran Tunal. Em 2010, conta com uma população de 8.000 habitantes e se divide em três bairros: centro, La Cuadrilla e Tlaxcala.
O Gran Tunal era o lar dos huachichiles, e se caracteriza por uma escassa vegetação de altos yucas (tipo de mandioca), e espinhosos arbustos além de grande planuras, das quais emergem algumas mesetas rochosas. A leste do triângulo delimitado pelas capitais dos três estados, se encontra a Sierra de Pinos, e em uma de suas ladeiras, o pueblo de mesmo nome, construído no local onde foram descobertas as primeiras minas de ouro e prata, a cerca de 2.700 metros de altura. 

Sequência que mostra as peças de 1/2 Real cunhadas em San Fernando de Béxar, Lagos e Sierra de Pinos. As três de cima são as chamadas "Jolas" de San Fernando de Béxar: nas datas de 1817 (variante M. BARRERA), 1817 (variante M.B.) e 1818 (JAG, José Antonio de la Garza).

OS CARIMBOS EM MOEDAS REALISTAS



Durante a guerra de independência, como antes mencionado, existiam as facções realistas e insurgentes. Carimbos, ou contramarcas, são símbolos, mensagens ou marcas que se gravam no metal em qualquer parte da moeda (geralmente no anverso), geralmente com o objetivo de validá-la ou mudar seu valor, como no caso de países atingidos por inflação. Também pode ser motivado por vandalismo.   

Porém, no caso das moedas realistas existem muitos carimbos postos por forças contrárias (insurgentes) para legalizá-las, ou por governantes para indicar que podem circular em suas terras; existem muitas razões, e mesmo hoje em dia não se sabe o que representam alguns carimbos. 

CARIMBOS INSURGENTES


HIDALGO

A contramarca utilizada por Hidalgo na cidade de Arispe, distrito de Guanajuato, contia um grande H rodeado por nove pontos. Era geralmente batido sobre o rosto do rei Fernando VII.
Miguel Hidalgo

Esta contramarca era uma cópia do carimbo usado por Morelos e foi batida sobre todo o tipo de moeda mexicana, geralmente 8 Reales da casa da moeda do México.


ALLENDE

Ignacio Allende conspirou em Querétaro e recrutou Hidalgo. Estava destinado a assumir o comando militar caso o pronunciamento militar encontrasse resistência, porém devido à atuação de Hidalgo, este assumiu o comando do exército popular pelo convocado. 

Allende manteve sérias diferenças com Hidalgo já que se tinha imaginado ao comando de um exército ordenado e disciplinado o qual conduziria à vitória, porém a realidade era bem distinta, vendo-se integrado no turbilhão de uma revolução social onde sem ordem nem disciplina se saqueava, roubava e matava. 
Allende



Com ciúmes de Hidalgo e em total desacordo com seus planteamentos, se separou dele quando não mais quis entrar em Cidade do México, porém logo teve que reunir-se com ele na batalha definitiva de Puente Calderón. Depois deste desastre e traído pelo capitão Elizondo, foi aprisionado e fuzilado. Decapitado, sua cabeça, com a de Hidalgo e seus companheiros, foram enviadas a Guanajuato permanecendo ali até 1821. 

Existe uma contramarca pertencente a este que consiste em uma marca circular em cujo interior se encontra uma I e uma A entrelaçadas. 






MORELOS

O sacerdote José Maria Morelos recebeu no dia 20 de Outubro de 1810 a petição de Hidalgo para se unir às Forças Insurgentes. Em 26 de Maio capturou a cidade de Tixtla, e devido à escassez de meio circulante ordenou a cunhagem de moeda provisional fundamentalmente em cobre, mesmo conhecendo-se algumas poucas em prata; esta cunhagem se iniciou em 1811, e continuou até sua captura e morte. 
Também durante esta etapa habilitou moeda de prata para sua circulação pela zona que dominava, carimbando-as com marcas circulares ou retangulares no qual interior se encontra um M e um O entrelaçados entre duas estrelas. Estes carimbos se utilizaram sobre moedas de cobre de Morelos para distingui-las das muitas falsas que se cunharam. O uso destes carimbos sobreviveu à Morelos e alguns insurgentes continuaram usando-os durante alguns anos após sua morte, encontrando-se este carimbo sobre algumas moedas de 1816 e at-e mesmo de 1818. Aparecem também em outras moedas que levam outros carimbos. 


CHILPANZIMGO (CHILPANCINGO)



Este Congresso, convocado por Morelos em Setembro de 1813 em dissidência com o de Zitácuaro presidido pelo General López Rayón, bateu e contramarcou moedas para seu uso na região de sua jurisdição, carimbando a moeda que não era própria e que circulava pelos territórios dominados pelas tropas de Morelos. Esitem dois tipos de carimbos, o primeiro um punção circular de aproximadamente 15 mm de diâmetro, contendo uma coroa de louros em seu perímetro e em seu interior aljava com flechas cruzado com alabarda, uma funda e na parte superior arco com flecha e braço que o sustenta pronto para desparar uma flecha para o alto. 



VICENTE GUERRERO

Um dos subordinados de Morelos, filho de campesão, foi Vicente Guerrero, de ascendência espanhola, indígena e negra, chefe principal das forças insurgentes do sul de 1816 a 1821. 
Durante quatro anos foi a única esperança da independência mexicana. Aceitou o plano de Iguala ou das Três Garantias de Itúrbide, ao que se uniu formando com outros líderes o exército Trigarante. 
Após o pronunciamento do General Santa Anna contraa eleição de Pedraza, Guerrero foi declarado pelo Congresso Presidente da República. Ocupou a presidência até a traição do vice-presidente Bustamante, que o obrigou a fugir para as montanhas do sul, onde resistiu ao novo governo durante um ano, porém, atraído com um engano para um barco italiano atracado em Acapulco, foi capturado e vendido por 50.000 Pesos ao Governo. Declarado incapacitado mentalmente, e posteriormente culpado de traição, foi executado. 
Durante o seu mandato das tropas do sul, utilizou para habilitar o meio circulante em sua área, um carimbo circular com decoração exterior e ao centro a águia mexicana.  


GUADALUPE VICTORIA


Guadalupe Victoria
Insurgente mexicano, que nasceu em Tamazula, Nueva Vizcaya, em 1786. Seu verdadeiro nome era José Miguel Ramón Adaucto Fernández Félix, porém o mudou em 1812 quando se uniu às forças insurgentes de Hermenegildo Galeana, para posteriormente unir-se às tropas de Nicolás Bravo. Chegou ao cargo de Coronel, encarregando-se da campanha de Veracruz. Organizou um governo nos territórios que dominava e carimbou moeda espanhola para sua habilitação.
À morte de Morelos, Victoria manteve viva a causa, desaparecendo em 1819 para reaparecer em 1821 apoiando o plano de Iguala subscrito entre Itúrbide e Vicente Guerrero.
Teve sérias diferenças com Itúrbide já que ele defendia a alternativa republicana. Quando Itúrbide abdicou, Victoria formou parte do Supremo Poder Executivo e foi eleito um ano depois Preidente da República Mexicana, morrendo em San Carlos de Perote, em 1846.



LOPEZ RAYÓN

Este advogado, descendente de uma distinta família, se incorporou desde o início à luta pela independência mexicana. Foi um dos integrantes do primeiro governo nomeado por Hidalgo, ocupando a Secretaria do Estado. Em Saltillo, quando Allende, Hidalgo e a maioria de seus colaboradores crioulos se dirigam à fronteira com os Estados Unidos, Rayón se encontrava ao comando da maior parte do exército. 
López Rayón carimbou as moedas coloniais que circulavam pelos distritos sob seu contorle com dois carimbos diferentes. Um deles consistia em um cunho circular com decoração externa que contém uma águia sobre um cactus frutífero. com uma estrela de oito pontas sob a asa e a palavra NORTE debaixo. O outro é um cunho ovalado que contém a palavra RAYON em monograma. 


JOSÉ MARIA DE LICEAGA


José Maria de Liceaga foi o comandante da ilha de Yuriria, que hoje leva seu nome, e a defendeu desde 9 de Setembro até 31 de Setembro de 1812. Durante este período carimbou as moedas coloniais que circulavam dentro de sua jurisdição com um carimbo circular no qual centro aparecem as iniciais J.M.L. de Liceaga e um estandarte com uma cruz, cuja hasta cruza diagonalmente o campo, e mais abaixo alguns ramos de olivo, com acima letras, que podem ser: AP, Ds, PG, SL, SM, SY, Sca, sra, S, V ou Ve, interpretadas como marcas de identificação, iniciais do gravador, iniciais da cidade ocupada por Liceaga ou o nome de seus subcomandantes. 


JOSÉ FRANCISCO OSORNO


José Francisco Osorno foi o chefe dos guerrilheiros que defendiam as montanhas de Puebla. Nomeado Comandante Geral insurgente e contando com a ajuda como conselheiro de Vicente Beristain, estabeleceu em Zacatlán uma Casa da Moeda. 
Em 1816 se submeteu a Calleja. Posteriormente se declarou a favor do plano de Iguala de Itúrbide. 
Durante seu comando, carimbou moedas coloniais com um punção ovalado que contém as letras O.S.R.N entrelaçadas. 


960 Réis, 1816 B, recunhado sobre 8 Reales com carimbo revolucionário de Osorno (O.S.R.N.)



JULIAN VILLAGRAN


Depois do levantamento de Hidalgo, nas montanhas próximas à Tampico, tomou as armas um indígena de nome Julián Villagran, quem, assumindo o pomposo título de Julián I Imperador de Huasteca, governou despoticamente dispondo de vidas e fazendas de seus governados. 
O auge de seu poder foi atingido em 1812, e a partir desta data se supõe que tenha começado a carimbar moedas, com um punção circular com decoração externa que leva, em duas linhas, seu sobrenome VILLA GRAN.
Em 13 DE JULHO DE  1813 foi traído por um de seus homens, sendo capturado pelos realistas e sentenciado, foi fuzilado uma semana em seguida, em Huichapán, diante de seu último palácio imperial. 


OFICINA DE ENSAIO DE LOS INSURGENTES (ENSAIE)


Carimbo circular que leva como decoração exterior uma coroa de louros e no campo uma águia diferente do tipo geral mexicano, já que não está sobre o cactus frutífero, nem devorando uma serpente; no centro, a palavra ENSAIE, sem dúvida significando que a peça tenha sido comprovada pelos insurgentes; abaixo, uma funda. 
Este carimbo foi aplicado pela oficina de Ensayo de los insurgentes, que se movia com o exército e não teve localidade fixa de residência.



SUPREMA JUNTA NACIONAL GUBERNATIVA




Carimbo semicircular com seu contorno superior ornamentado, e no centro as letras S.J.N.G. que correspondem às iniciais da Suprema Junta Nacional Gubernativa





TLALPUJAHUA

Carimbo circular com águia pousada sobre um cactus nopal, com a sigla S.C.M. (Soberano Congreso Mexicano). Contramarca utilizada pelo estado de Tlapulhahua, durante la revolução de 1813 - 1818.


VICENTE BERISTÁIN


Procedente de uma boa família realista, irmão do diácono maior da Catedral do México e fervente expoente do realismo no México. Mesmo que seus inícios militares tenham sido no bando realista e de modo ao quanto notório - prova disto são os elogios do vice-rei em suas saídas com a guarnição de Tezcuco - posteriormente tomou parte no bando insurgente. Em 23 de Abril de 1812, Pedro Espinosa y Serrano, junto a outros chefes, comandaram um grupo de quinhentos homens e dois canhões - estes sob comando de Beristáin - à entrada do rico pueblo de Pachuca. Após breve resistência dos realistas, dirigidos por Madera e o conde de Casa Alta, estes capitularam. As condições foram de que entregassem as armas  e a Real Fazenda - 50 barrinhas de ouro e 250 barras de prata. A prata foi dividida entre os insurgentes, enviando uma parte a Morelos, outra a Rayón, enquanto outras foram mandadas a Serrano e o restante ficou com Osorno que levou para Zacatlán, acompanhado por Beristáin, onde estabeleceu, tanto nesta cidade como no pueblo próximo de San Miguel, Maestranças, Casas da Moeda, e fábricas de armas. Ele foi o encarregado de transformar as barras de prata entregues a Osorno em moedas com a ajuda de Pedro Lachausseé, engenheiro de minas proveniente da Bélgica. Em 9 de fevereiro de 1814, foi justiciado por ordem do próprio Osorno, devido às muitas desavenças existentes.

CARIMBOS DAS FORÇAS REALISTAS


As forças realistas aplicavam carimbos nas moedas que circulavam em seus territórios, geralmente com o objetivo de legalizá-las para a circulação ou certificá-las como “boas”, dada a grande quantidade de peças falsificadas em giro. A variedade de carimbos dos realistas era menor, provavelmente dado pelo fato que estavam ocupados com a cunhagem dita e própria das moedas, que os insurgentes não conseguiam reaslizar pela falta de maquinário; logo, estes últimos tinham uma maior quantidade de carimbos que os Realistas, como era de se supor. 
Os principais carimbos Realistas, são os seguintes: 

UTIL

Carimbo circular que leva em seu exterior uma decoração de pontas de flecha e no centro a palavra VTIL.Este carimbo se encontra, normalmente, sobre moedas coloniais que também levam os carimbos insurgentes o que leva a supor que se trata de um carimbo posto pelas autoridades realistas para revalidar a circulação das moedas com carimbos insurgentes nos territ´rios sob comando realista. 


MANUEL SALCEDO

Manuel Salcedo era governador do Texas em 1810, ao começar da guerra de independência mexicana, e considerou conveniente revalidar as moedas coloniais que circulavam no território de sua jurisdição com um carimbo ovalado no qual campo se encontram entrelaçadas as iniciais M e S.
Em 22 de Fevereiro de 1811, foi feito prisioneiro pelos insurgentes. Transferido como prisioneiro a Monclova, foi liberado pelos realistas. O governo colonial o enviou a Chihuahua onde presidiu o juízo de Miguel Hidalgo. Posteriormente foi de novo capturado pelos insurgentes, que o decaítaram em 5 de Abril de 1813. 


ANTONIO LINARES

Antonio Linares foi, segundo o diário da correspondência militar de Agustín de Itúrbide, Tenente Coronel do exército espanhol e usou, para sua habilitação, uma contramarca que consistia em um retângulo ornado de pontos com a inscrição LINA RES em duas linhas e uma estrela de oito pontas.  

L. C. M

Existem pelo menos quinze carimbos diferentes que levam esta legenda, sendo todos eles de tamanho diferente, e com tipos de letra diferente. Isto faz supor que foram utilizadas pelos Comandantes militares realistas para revalidar as moedas, através deste método. As letras provavelmente representam as palavras La Comandancia Militar.
Esta atuação foi considerada normal, já que à toda época e país, os Comandantes e militares assumiram poderes ilimitados quando era declarada a Lei Marcial. De acordo com as ordens dadas dia 27 de Novembro de 1812 pelo vice-rei do México, todos os Comandantes militares tinham autoridade para revalidar e carimbar moeda. 


L. C. V

Este carimbo corresponde às iniciais de Las Cajas de Veracruz.
O decreto do Vice-rei de 27 de Novembro de 1812 declarou obrigatória a aceitação das moedas cunhadas defeituosamente nas casas da moeda provisionais criadas pelas autoridades realistas. Posteriormente, por decreto de 19 de Dezembro de 1812 se ordena ao Tesoureiro Real que pese todas as moedas provisionais que circulavam por Veracruz e as carimbe com o valor pelo qual deveriam circular. 
Em cumprimento do mencionado decreto, e como justificação de que as moedas circulantes tinham sofrido o reconhecimento estabelecido, se carimbou nas peças examinadas uma marca com as letras L.C.V.
Além disso, foram também feitos outros quatro tipos de carimbos ( 7, 7 ¼, 7 ½ e 7 ¾ ) para carimbar as moedas com falta de peso, marcando o valor pelo qual deveriam circular. As moedas sem nenhum carimbo de valor, deveriam ser consideradas como de peso correto e circular com seu valor de 8 Reales. 

MONCLOVA

Monclova foi durante 1811 e 1812 a capital da provincia de Coahuila, estabelecendo-se ali uma Casa da Moeda, porém devido a escassez de maquinário para trablhar e de materiais para cunhar, tal Casa não se chegou a montar. Não obstante quando a escassez de meio circulante foi grande, se viram obrigados a fundir moedas, tomando como modelo as moedas da Casa da Moeda de Cidade do México. Sendo carimbadas com uma marca consistente em dois retângulos sobrepostos, o de cima contendo as letras MVA que se podem interpretar como Monclova, e no de baixo a data 1811 ou 1812. Estes cunhos, que por serem pequenos não se deterioravam, foram usados por mais de oito anos. 

L.V.S

Carimbo retangular contendo as letras L.V.S., que se podem interpretar como La Villa de Sombrerete. Também existe um outro carimbo (abaixo), aproximadamente retangular, com legenda ao seu interno em duas linhas, VILLA/D.S., que se interpreta também como Villa de Sombrerete. 

AS MOEDAS DOS INSURGENTES

Devido à escassez de moeda que afetou o vice reinado, o bando insurgente se viu obrigado a cunhar sua própria moeda para pagar suas tropas. As cunhagens insurgentes foram realizadas com meios rudimentares, e devido à falta de prata, foram poucas as moedas cunhadas em tal metal. As mais comuns são as cunhadas em cobre.
Em Outubro de 1810, Miguel Hidalgo comissionou a José Maria Morelos a organização de um exército no sul do país. Morelos se encontrou na liderança do movimento insurgente após a captura de Hidalgo em Março de 1811. Com ele, iniciou a segunda etapa da luta onde se uniram idéias dos grupos médios com as exigências do povo e se definiram com clareza os propósitos do movimento de independência no documento “Sentimientos de la Nación”, onde pela primeira vez se delineou a Independência do México do domínio espanhol.

MORELOS

As moedas de cobre de Morelos equivaliam a moedas fiduciárias, ou seja, se trocariam por seu valor facial (gravado na moeda) em prata ou ouro quando a revolução tivesse triunfado. O anverso destas moedas, de fatura grosseira, apresenta o monograma de Morelos acompanhado da denominação e do ano de cunhagem. No reverso se vê um arco com flecha e abaixo a palavra SUD. Existem duas variantes principais: uma simples, e outra com adornos vegetais. Se produziram peças de 8, 2, 1 e 1/2 Real.
Após a sitiagem de Cuahutla, Morelos esteve alguns meses em Tehuacán. Ao sair desta cidade, deixou em seu lugar o insurgente Manuel Mier y Terán. Se acredita que este, para assumir a responsabilidade de sua cunhagem, produziu um tipo de cunhagem com as letras T.C. entre o arco e a palavra SUD. Alguns estudiosos consideram que as letras T.C. indiquem que a cunhagem tenha sido realizada em Tierra Caliente; para outros, a abreviatura significa Tlacotepec, enquanto para outros ainda, Torres de Cuautla. As peças mais comuns deste tipo são as de 8 Reales, sendo as mais raras as de 2 e 1/2 Real.

Terra Caliente, Vale de Guerrero-Chilancingo e seus confins: Michoacán, Morelos, Puebla, Oaxaca e México.

Morelos atacou e tomou Oaxaca em 25 de Novembro de 1812. Ali, encotrou grandes quantidades de barras de prata, o que o permitiu de reiniciar tanto suas cunhagens do tipo SUD, quanto um novo tipo similar ao tipo provisional de Oaxaca. As cunhagens realizadas em Oaxaca foram as mais importantes de Morelos. Não somente foi realizada em grande quantidade, mas também são numerosos os tipos, variantes, e valores. Se realizaram em prata e cobre, cunhadas e fundidas.


8 Reales cunhado em cobre e fundido em prata de Morelos (Tierra Caliente acima e Oaxaca embaixo).

Mesmo que o tipo de cunhagem de Morelos seja bastante uniforme, esta apresenta variantes, porque sua cunhagem se realizaou em numerosas localidades (Tecpan, Huautla, Oaxaca, Acapulco, Tlacotepec, Chilpancingo, Cerro de Atijo e Tehuacán). Apesar dos estudos a respeito, existem somente conjecturas sobre os tipos de cunhagem e não existe um registro completo sobre as variantes. Os elementos característicos do desenho das moedas de Morelos são o monograma no anverso e o arco no reverso. O monograma contém as letras M O S, abreviatura do nome Morelos. 

Série de Morelos, cunhada/fundida em Oaxaca. Acima, 8 Reales cunhado em cobre e fundido em prata; abaixo, 2 Reales cunhado em prata, e 1/2 Real cunhado em cobre, primeiro tipo, e segundo tipo (imitando a cunhagem provisional de Oaxaca). 

Série de Morelos, cunhada em Terra Caliente (T.C.). Acima, 8 Reales cunhado em cobre, abaixo, 2 Reales e 1 Real cunhados em cobre. 
ZACATLÁN (PUEBLA) - CUNHAGEM DE OSORNO

O Tenente General insurgente José Francisco Osorno tomou, no dia 30 de Agosto de 1811, o povoado de Zacatlán, no estado de Puebla. Em abril de 1812, assaltou a mina de Pachuca e roubou uma grande quantidade de barras de prata com as quais, assessorado por Vicente Beristáin, pode estabelecer uma Casa da Moeda que funcionou até 1813. As moedas saídas desta casa eram de produção tosca; se cunharam peças de prata de 2 Reales, e de cobre de 2, 1 e 1/2 Real. Além das peças cunhadas, Osorno utilizou com maior frequência, como já visto anteriormente, moedas coloniais correntes que carimbava com uma marca com seu monograma:

Monograma do General Osorno aplicado nas moedas coloniais.


Moedas de Zacatlán - peças cunhadas para circulação local (2 Reales e 1 Real).
 
TLALPUJAHUA

No dia 19 de Agosto de 1811, Don Ignacio Rayón reuniu os cidadãos relevantes de Zitácuaro para fundar a Suprema Junta de América. Os componentes juraram a defesa dos direitos da Igreja e do Rei Fernando VII, para assim desenvolver os deveres do governo - devido à ausência do Rei que se encontrava em território francês - do que denominaram Nova Espanha. Por isso, à Junta, se deu tratamento de Majestade (de fato, nas moedas se encontra a abreviação SM). A Suprema Junta se insdtalou definitivamente em Tlalpujahua, após sofrer vários ataques em outros locais (Zitácuaro e Sultepec). Em suas cunhagens aparece o nome de Fernando VII, porém somente por conveniência e para facilitar a aceitação entre os nativos que eram de credo realista. 
A Junta de Zitácuaro, também conhecida com o nome de Suprema Junta Nacional Americana ou Suprema Junta Gubernativa de América, foi um Conselho formado sob convocação de Ignacio López Rayón na vila de Zitácuaro (Michoacán) entre 19 de agosto de 1811 e 1813. Em 2 de Janeiro de 1812, Calleja derrotou as tropas insurgentes na batalha de Zitácuaro, expulsando-os do local. O propósito da Junta era instituir um órgão de governo para a nação mexicana, já que não reconhecia a subjeição à estrutura vice-reinal novohispânica, por considerá-la ilegítima já que representava uma potência invasora da metrópole. 
A junta foi instituída dia 19 de Agosto de 1811. Formaram parte da Junta, entre outros, José María Morelos y Pavón, José María Liceaga, José Sixto Verduzco e o próprio López Rayón. Os três últimos foram nomeados porta-vozes da Junta pelos 16 chefes insurgentes
regionais que assistiram à instauração do órgão. Além disso, Ignacio López Rayón foi eleito
Ministro Universal da Nação e Presidente da Suprema Corte. Pouco depois, a Junta também nomearia Morelos como porta-voz.
No dia 2 de Janeiro, a Junta foi expulsa da vila de Zitácuaro pelo exército espanhol liderado por Félix María Calleja. Dali se mudou para Sultepec, no estado do México, onde produziu alguns documentos interessantes, quase todos obras do zacatecano José María de Cos. Após ser atacado em Sultepec, se mudou para Tlalpujahua, Michoacán, onde estabeleceu casa para cunhar moedas. 
Moedas da Suprema Junta de Zitácuaro (Casa da Moeda de Tlalpujahua). À esquerda, peça cunhada de 8 Reales, em prata, de 1812 (S. M., tratamento da Junta), e outra cunhagem de 8 Reales, de 1811. À direita, 8 Reales fundido em prata, e 8 Reales cunhado em cobre, da Casa da Moeda de Tlalpujahua, para a Suprema Junta de Zitácuaro. 
ZONGOLICA



Em Zongolica, na provincia de Veracruz, durante a primavera de 1812 dois sacerdotes, Juán Moctezuma Cortés e Mariano de las Fuentes, juntos a um advogado, decidiram montar um grupo militarizado para lutar pela independência. 
No dia 29 de Maio de 1812, tomaram a cidade de Orizaba. Nesta, se recuperou um carregamento de tabaco, cuja venda permitiu a instalação de um atelier de cunhagem que realizou estas peças na segunda metade do ano. A decisão de cunhar suas próprias moedas foi tomada devido à isolação respeitos às outras forças insurgentes. 
Registros mostram que foram cunhadas moedas de 1/2, 1, 2, 4 e 8 Reales, porém hoje não se conhece nenhum exemplar das peças de 1/2 e 1 Real. As moedas foram cunhadas na Serra de Zongolica, e atualmente da peça de 8 Reales existem somente sete ou oito peças conhecidas.

8 Reales cunhado em Zongolica
APODACA E O FIM DA CUNHAGEM PROVISIONAL

Juan José Ruiz de Apodaca
Em 29 de Dezembro de 1816, o Vicerei da Nova Espanha de então (Juan José Ruiz de Apodaca) ordenou o fechamento das casas da moeda provisionais, exceto a de Durango, e autorizou o estabelecimento formal de quatro casas da moeda, Guanajuato, Zacatecas, Guadalajara e Durango, que funcionaram a partir de então cunhando moedas do tipo realista. Com o fim do periodo vicereinal, estas casas fecharam, mas graças ao esforço de um grupo de empresários zacatecanos, aquelas de Zacatecas e Durango puderam voltar a funcionar em 6 de Novembro de 1820, quando as cortes Espanholas decretaram o funcionamento formal destas casas da moeda, que cunharam a pleno vapor ate a independência do estado mexicano.

Texto a cargo de Rodrigo Maldonado, sob a tutela e responsabilidade de MBA editores, empresa do Grupo Bentes.